sexta-feira, 13 de março de 2009

Voz do Povo

AGRADECIMENTO
Abro a segunda edição da coluna para agradecer os tele fonemas, e-mails e mensagens de incentivo que recebi durante a semana, mas de todas uma me chamou a atenção porque veio acompanhada de reclamação pertinente e merece uma resposta das autoridades do setor:

Quero parabenizar pela coluna A VOZ DO POVO no jornal A GAZETA. Bem legal a iniciativa. E de pronto deixo aqui meu reclame. Conto com você para fazer ecoar.

Os moradores do Ramal da Judia não entendem, nem compreendem, porque a empresa de ônibus que detém a concessão da linha Seis de Agosto faz o percurso no ramal apenas três vezes ao dia (6h50, 11h50, 18h50). Ali moram mais de duas mil famílias, que para se deslocarem até o Centro da cidade ou demais bairros, são obrigadas a caminhar, no mínimo um quilômetro, até o local onde o ônibus faz parada final, na Travessa Éden (final da Seis de Agosto).

O asfalto está prometido para este verão e acredito mesmo que vá chegar, afinal as obras da quarta ponte estão a todo vapor.

Mas enquanto isso... Porque o ônibus, que entra no ramal três vezes ao dia, não faz o mesmo percurso em todos os horários?

Afinal, não é a Seis de Agosto uma linha "social", que não dá lucro e só existe porque a empresa é obrigada a manter pra cumprir "função social". Se esticar o trecho, fatura mais. É ou não é?!!!



Rua engolida
A rua da "tripa", como é mais conhecida no Conjunto Tropical, vem sendo literalmente "engolida" por um longo processo de erosão que segundo os moradores deixou cerca de dez famílias desabrigadas. Recentemente, mesmo com obras para contenção do barranco, a via voltou a rachar e a camada asfáltica esta se derretendo, indo por água abaixo até chegar ao São Francisco que virou depósito. Bem, mesmo que tenha sido uma empresa terceirizada, convenhamos, um serviço malfeito que compromete e muito o setor de engenharia da Prefeitura de Rio Branco. Se o solo é frágil, e não é possível fazer direito o serviço arriscando vidas humanas apenas com uma maquiagem, para agradar a "poucos", não é admissível!

Mais uma da PM
Se já não bastasse denúncia aqui na VOZ DO POVO da forma desrespeitosa que mendigos foram conduzidos em viaturas da corporação, eis que chegam notícias que policiais militares cometeram mais dois abusos. O primeiro em Rio Branco na entrada do Pronto Socorro. Veja você: "O cidadão com dengue, passando mal, com aquele frio de rachar, com o corpo todo empolado em vez de ser atendido por médicos foi jogado no camburão da mesma forma que os mendigos". Que absurdo! O segundo caso foi lá no Juruá numa barreira entre Cruzeiro do Sul e Guajará, no Amazonas. Durante as abordagens aos motoristas que cruzavam a fronteira quatro soldados, empunhando armas de grosso calibre agrediam verbalmente quem passava, e o pior, tinha militar graduado no meio. Pois bem, "fica difícil acreditar que o Comando Geral na atual conjuntura, não esteja dando ouvidos ao clamor popular", estou falando de ações concretas de contenção dos ânimos! Aqui vai o alert a: "Esta mais do que na hora do Ministério Público se pronunciar a respeito do assunto, antes que o pior aconteça"! Lembro que não faz muito tempo um juiz federal quase duelou com um soldado lotado na Companhia de Trânsito (Ciatran) em plena via pública por este ter sacado a sua arma para o magistrado. Afinal, que fim levou esse processo mesmo?

FRASES
Adaptaremos a coluna as frases, buscando diferenças nas já batidas e conhecidas do público, isso significa, nem sempre será possível sabermos o autor, pode até ser um anônimo, mas, o que vale mesmo, são os conteúdos e mensagens contidas nelas que podem, por exemplo, ajudar a você leitor sair de problemas ou orientar de alguma forma na busca do conhecimento, enfim dar rumo à própria vida nesse universo chamado terra. E para começar lá vai à primeira:
"Algumas poucas pessoas, em alguns poucos lugares, fazendo
algumas poucas coisas, podem mudar o mundo".
(Escrito no muro de Berlim-Alemanha - anônimo)


Tortura I
Aliás, até pensava que essa palavra já tinha sido abolida do "dicionário local", mas o funcionário do Poder Judiciário, Thadeu Cícero Diniz Aguiar, 41, resolveu meter a boca revelando na frente do secretário nacional de combate a tortura do Governo Federal, Pedro Montenegro, que veio lançar em Rio Branco o comitê estadual para esse fim, que há dez anos sofre todo tipo de tortura, e o pior, não escondeu quem são os supostos "torturadores". De A a Z estão políticos, militares, uma juíza, até os poderes constituídos, do Ministério Público do Acre a Polícia Militar, de todas instituições salvaram-se poucas. Pelo menos, nesse episódio, de pronto o Comandante em exercício da Polícia Militar, José Ramalho, mandou apurar, e garante se for mesmo verdade o que foi dito na sua presença e demais autoridades presentes, um oficial e um cabo que atuavam em Manuel Urbano, poderão ser punidos, até com a perda da farda. Vamos ver os outros órgãos citados em seu depoimento se também seguirão a mesma linha de raciocínio "lógico".

Tortura II
Nessa história, nem mesmo um senador da República do Acre escapou! Segundo a suposta vítima, o parlamentar que na época exercia um alto cargo no Governo do Estado, acompanhado de três delegados, torturaram e o ameaçaram dentro de um distrito policial. Acredito que no andar da carruagem a situação não pode ficar impune como esta aparentando, pois são fortes os indícios que vem sofrendo torturas a uma década no Acre, sem que ninguém tome até o momento, uma atitude digna. Portanto, atenção setores ligados aos Direitos Humanos este senhor precisa de proteção com urgência! Ultimamente, revelou, que até a motocicleta de sua propriedade foi levada de dentro do estacionamento do Tribunal de Justiça por policiais fardados, que se não fosse à intervenção direta do Detran estaria andando a pé. Pode um negócio desses em pleno estado democrático de direito? Bem, só sei de uma coisa, o secretário nacional de comba- te à tortura saiu daqui estarrecido com todos os fatos narrados pedindo providências para o secretário de Justiça, José Henrique.

(por michelangelo botto jornal a gazeta)

Nenhum comentário: