sábado, 25 de abril de 2009

A Divisão da PM de Cruzeiro do Sul

Voz do Povo

Leitor atento manda um retrato fiel do atual contingente da Polícia Militar no Juruá, mostra em detalhes a "pré-falência do sistema" no interior do Estado. Pelos números levantados a segurança é mínima, para se ter uma idéia resta pouco mais de setenta homens para toda uma população que clama por segurança. Veja por que:

A corporação da PM no Vale do Juruá está assim dividida: 8 oficiais, 11 subtenentes e 220 praças, incluindo soldados, cabos e sargentos.

Dos 220 homens e mulheres, cerca de 30 deles, mensalmente, estão de férias ou licença médica. Dos 190 policiais militares restantes, 6 estão no município de Porto Walter, outros 6 em Marechal Thaumaturgo, 16 em Mâncio Lima e 17 em Rodrigues Alves.

A comunidade indígena dos katukinas também tem uma equipe de 5 policiais e ali próximo, na localidade conhecida como Liberdade, há mais 3.

Depois da distribuição dos policiais nos outros quatro municípios do Vale do Juruá, e nas comunidades citadas, restam ainda 137 para Cruzeiro do Sul.

Contudo, ainda não é esse o contingente que faz o policiamento das ruas.

A Polícia Militar, seguindo seu dever constitucional, é obrigada a promover a segurança de outros órgãos e aparelhos do Estado.

No caso de Cruzeiro do Sul, 2 policiais ficam a serviço da Prefeitura Municipal; o Ministério Público também conta com 1 policial; outros 2 ficam lotados no Fórum da cidade, 1 na Defensoria Pública; 2 no Detran; 2 policiais ficam à disposição dos postos da Secretaria de Fazenda (Sefaz); 4 nos hospitais; 3 são profissionais de Saúde; 45 ficam alocados permanentemente no presídio e no Abrigo do Menor; 8 policiais trabalham no Ciosp; e 1 está cedido à Força Nacional, para operações fora do Estado do Acre.

Depois de atender às inúmeras instituições, restam 65 praças, incluindo aí cabos e soldados.
Como também os 11 subtenentes recentemente promovidos continuam com a função de policiamento ostensivo, chegamos a conclusão que estão prontos para vigiar as ruas 76 poli-ciais militares.

Porém, o regimento da PM diz que os policiais militares trabalham em regimes de plantões alternados.
Informações não oficiais dizem que há períodos em que os policiais trabalham 24 horas e descansam outras 24, principalmente próximo a eventos de maior movimento na cidade, como Natal e Carnaval, por exemplo.

As escalas variam de acordo com as atividades do policial. Há casos em que trabalham 24 horas e descansam 48 horas, ou podem descansar até mesmo por 72 horas.

Sendo assim, não é exagero concluir que, considerando as escalas de plantões dos policiais militares, diariamente o número efetivo nas ruas nunca ultrapassa a 15 PMs.

Nota Pé: O que dizer nessa situação...? Que o Comando da Polícia Militar peça mais contingente ao governo realizando concurso público para atender o Vale do Juruá. É só isso que o povo de Marechal Thaumaturgo a Cruzeiro do Sul precisa "urgentemente".

jornal a gazeta

Nenhum comentário: