segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Agência Amazônia de Notícias diz que senador voltou atrás depois de mandar barrar entrada de Haitianos no Brasil

Uma semana após o senador Aníbal Diniz (PT-AC) pedir ao Itamaraty um rígido controle da entrada refugiados do Haiti no Acre, o senador João Pedro (PT-AM) saiu em defesa dos haitianos que chegam ao Brasil pelo Acre e Amazonas. Diniz pediu para a Polícia Federal (PF) barrar a entrada dos haitianos e, por conseqüência, a ajuda humanitária às vitimas do terremoto do ano passado no país caribenho.

Ao contrário de Diniz, seu colega de partido, o senador João Pedro hipotecou solidariedade aos haitianos chegados ao Brasil nos últimos meses. E foi mais além. Conclamou os senadores, especialmente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional, a formarem uma comissão para verificar nas cidades de Basiléia, Assis Brasil e Epitaciolândia, no Acre; e também em Tabatinga, no Amazonas, as péssimas condições de vida a que estão submetidos os imigrantes haitianos.

João Pedro explicou sua preocupação: “Estou fazendo um apelo primeiro para que uma comissão de senadores visite esses locais, porque a situação dos haitianos que chegaram ao Brasil, com relação às condições de moradia e de vida é muito ruim. Tenho relatos da imprensa segundo os quais estão passando fome e sede”.

Além de acionar seus colegas senadores, João Pedro também buscou ajuda do Estado brasileiro para ajudar os haitianos que fugiram da miséria de seu país em busca de sobrevivência no Brasil. Disse ter enviado documento ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, externando sua preocupação com o assunto. O senador disse acreditar na sensibilidade do ministro da Justiça para resolver a situação dos haitianos que aportaram em território brasileiro.

A reação no Senado em favor dos haitianos foi imediata. João Pedro recebeu apoio dos senadores Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), Eduardo Suplicy (PT-SP) e de Aníbal Diniz (PT-AC), que, na semana passada pediu ao governo federal para colocar a PF na cola dos refugiados.

Nenhum comentário: