terça-feira, 15 de março de 2011

Policiais torturam assaltante dentro da Delegacia da 1ª Regional diz o portal de noticia JANELÃO.NET


Policiais militares torturaram na manhã desta terça-feira, 15, um assaltante que acabara de ser preso nas proximidades do terminal urbano. O preso chama-se Valcir Félix Correa Júnior, de 28 anos. Ele estava algemado com as mãos para trás, mesmo assim levava tapas, murros, choques e foi jogado ao chão onde recebeu pontapés. Os policiais militares que o prendeu exigiam que ele confessasse e apontasse cumplices.

O fato aconteceu na garagem da delegacia antes de apresentá-lo aos policiais civis. Ao notarem que estavam sendo filmados, os policiais determinaram que a reportagem se ausentasse do local.

Valdir acabara de assaltar um comércio no Segundo Distrito. Ele estava sendo perseguido por uma guarnição da PM, composta de quatro policiais, dois masculinos e dois femininos. A prisão aconteceu quando Valcir tentou tomar um veículo e seus ocupantes como reféns para fugir do crime que acabara de cometer. Para seu azar, os ocupantes eram três policias do serviço reservado do Batalhão de Operações Policiais (Bope) que já haviam sido acionados e estavam em busca do bandido.

A tortura aconteceu logo que Valcir foi introduzido na delegacia da 1ª Regional. Ele foi colocado algemado com as mãos para trás sentado em um banco de alvenaria. O um dos policias da guarnição da PM iniciou o espancamento batendo em seu rotos violentamente e exigia que ele dissesse quem eram os seus cúmplices e quem eram as pessoas que estavam lingando para ele. Enquanto ele batia, os demais policiais, inclusive as femininas, observavam e até sorriam. O outro policial estava em uma sala nos fundos da delegacia preenchendo o boletim de ocorrência (BO).

Durante a tortura, um dos policiais do Bope se aproximou e também bateu por diversas vezes no rosto de Valcir e afirmava que ele ia ter que falar, por bem ou por mal, pois, dali para frente, era ele quem ia “comandar” a tortura. Em certo momento, Valcir levou um choque tão forte que caiu no chão se contorcendo. Ele foi levantado e sentado de novo no banco, onde a sessão de tortura continuou.

Até então, as imagens estavam sendo feitas de forma camuflada, mas, daí por diante, os policiais perceberam que estavam sendo gravados. O PM que mais batia parecia não se incomodar e estava certo da impunidade dizendo, inclusive, que a reportagem chegasse mais perto para filmar. Já os demais policiais do serviço reservado perceberam que as imagens poderiam causa-lhes problema e determinaram que a reportagem saísse do local.

---------------------------

O comandante da Polícia Militar, coronel José dos Reis Anastácio, prometeu apuração rigorosa sobre o caso em que policiais militares e do serviço reservado do Batalhão de Operações Especiais (Bope) aparecem torturando um assaltante que acabara de ser preso. O comandante solicitou as imagens do vídeo e disse que a corregedoria da PM já foi acionada para apurar o caso.
“Vamos apurar com rigor e tomar todas as medidas cabíveis para punir os envolvidos”, prometeu Anastácio.
O comandante disse que a situação em questão é um caso isolado e que a postura da PM não deve ser maculada em virtude da ação de policiais que extrapolam e legítimo exercício da função policial.
A tortura foi documentada na manhã desta terça-feira, 15, quando o assaltante Valcir Felix Correa, 28 anos, foi preso por policiais do 1º Batalhão de Polícia Militar e do Serviço Reservado do Batalhão de Operações Especiais (Bope). Ele foi espancado, levou choques e chutes enquanto estava algemado.

-------------------------

O sub-comandante da policia militar do Acre falou da sua visão sobre o caso ao portal de noticia ac24horas.

Policiais passarão por um procedimento investigatório interno e ao final, caberá ao MPE e ao judiciário puní-los ou não, diz sub-comandante.
A partir de reportagem publicada em diversos veículos de comunicação no Acre, onde mostra um vídeo em que policiais militares aparecem torturando na manhã desta terça-feira, 15, um preso acusado de assalto, identificado até o momento como sendo Valdir Felix, de 28 anos, o comando geral da PMAC abriu processo criminal para investigar o caso e a conduta dos PMs.
Inconformado pelo modo com que os policiais agiram, espancando com tapas o acusado, mesmo depois de estar preso, algemado e não oferecendo mais risco, o sub-comandante da PMAC, Coronel Paulo César, disse que "já baixei o vídeo da internet e identificamos os policiais. Todos passarão por um procedimento investigatório interno e ao final, caberá ao Ministério Público Estadual e o poder judiciário puní-los ou não na forma da lei ”, lamentou.
Segundo ainda Paulo César, o prazo para conclusão do inquérito é de 30 dias a contar a partir de amanhã (16), quando pessoas serão intimadas, inclusive alguns jornalistas que presenciaram a cena.
“Nós não pactuamos com esse tipo de atitude e o comando geral repudia qualquer tipo de tortura. Vamos agir nesse caso com o maior rigor para dar exemplo de que esse tipo de comportamento não é tolerável em hipótese alguma dentro da nossa corporação”, afirma.

Nenhum comentário: