terça-feira, 27 de agosto de 2013

Diretor técnico do Hospital da Mulher e da Criança do Juruá pede desligamento do cargo e revela situação precária da unidade de saúde


Os problemas na saúde pública se tornaram alvo constante de denúncias por parte de pacientes e seus familiares que procuram atendimento na rede pública, mas, nunca as carências dos hospitais tinham sido expostas de uma forma tão contundente por um profissional da área, como foi feita pelo médico e ex-diretor técnico do Hospital da Mulher e da Criança do Juruá (HMCJ), Ricardo Guzela, que em seu pedido de afastamento do cargo apresentou um relatório esmiuçando a gravidade da situação em Cruzeiro do Sul.
A maternidade do município começou a ser investigada após denúncia da agricultora Maria Alcilene, que ao entrar em trabalho de parto no mês de julho deste ano, procurou por três vezes o hospital, mas a criança morreu antes do parto, já que ela foi orientada no atendimento a retornar para casa. Segundo informações de mulheres de Cruzeiro do Sul, mais de 50 crianças nasceram mortas na unidade de saúde, nos últimos três anos. Existem suspeitas de negligência médica, além de contaminação das instalações.
Antes de pedir para sair da função de diretor técnico, Ricardo Guzela encaminhou seis memorandos à secretária Suely Costa – a assessora de gabinete da Sesacre, Adriana Cristina Evangelista – ao diretor clínico do HMCJ, Gilson Lima de Carvalho e, para a responsável pela Comissão de Controle de Infecção Hospitar (CCIH), Tatiana Panont – detalhando todos os problemas de funcionamento do hospital. Os documentos foram apresentados pela deputada estadual Antonia Sales (PMDB), na tribuna na Assembleia Legislativa.
A deputada peemedebista disse que visitou o prédio da maternidade e pode constatar pessoalmente que os dificuldades persistem. “Encontrei a secretária Suely Melo, e pensei que ela iria resolver esses problemas que que existem há mais de um ano. Soube através da imprensa que a secretária só tinha ido para ver os casos de malária e levar mais uma promessa de instalação do lacem.É vergonhoso um governo do Estado pagar R$ 15 milhões a mídia e não possa comprar uma centrifuga que talvez o preço não chegue a cinco mil”, afirma.
Segundo o relatório situacional que foi entregue aos diretores do hospital e a Sesacre pelo médico Ricardo Guzela, (que solicitou desligamento da direção técnica do HMCJ, no dia 10 de abril deste ano), os problemas atingem toda estrutura e área de pessoal do hospital público. O mais grave seriam os problemas de infecções classificados por ele, de “elevado índice de infecções hospitalares”, ocorridos no ano de 2012. “Considero que as infecções parecem manter-se em número considerado acima da média”, revela o profissional.
No documento, Guzela relata as dificuldades para realização de cirurgias no hospital. De acordo com ele, o centro cirúrgico possui quatro salas. Duas estariam desativadas por não possuir mesa cirúrgica, foco cirúrgico auxiliar, focos cirúrgicos de teto, carrinho de anestesia desativado e monitor multiparâmetros. As duas salas ativas estariam com o monitor multiparâmetro funcionando precariamente. “O centro cirúrgico possui dois aparelhos de bisturi elétrico, ambos estão inativos aguardando reparo”, revela.
A sala de Recuperação Pós-anestésica (RPA) teria quatro boxes de monitorização de pacientes. Dois estariam ativos com monitor multiparâmetro funcionando parcialmente. Os outros dois estariam desativados por não possuir monitor multiparâmetro. Outra falha da sala seria não possuir carrinho de emergência devidamente equipado e montado, segundo Guzela, que destacou que o hospital possui apenas dois leitos de assistência ao recém-nascido. Um dos leitos estaria aguardando reparo desde outubro de 2012.
Estrutura do hospital
O médico Ricardo Guzela fez suas considerações gerais sobre a estrutura do HMCJ e destacou seis pontos que demonstrariam a falta de manutenção na unidade de saúde. Para o ex-diretor técnico, os equipamentos estariam precisando de manutenção, os cabos e conectores de energia apresentam defeito e necessitam de substituição. Ele destaca que as macas estariam deterioradas ou não possuem mais colchonete, as roupas utilizadas pelos funcionários estão em falta, à lavanderia não funciona a contento e os recursos humanos seriam escassos.
Central de Materiais Esterilizados
Apesar de o governador Sebastião Viana (PT) afirmar que 2013, seria o ano da saúde, as dificuldades no Hospital da Mulher e da Criança do Juruá destoam o discurso oficial. Um dos exemplos seria a Central de Materiais Esterilizados da unidade de saúde, que de acordo com o médico Ricardo Guzela, estaria com a área utilizada para lavagem, secagem e desinfecção de artigos cirúrgicos e de assistência à saúde, contaminada. “Desde a inauguração da unidade não contamos com deonizador de água”, enfatiza.
O médico destaca ainda que na área utilizada para preparo, acondicionamento e embalagem dos artigos cirúrgicos e de assistência à saúde possui duas autoclaves de porte nº 01 e nº 02. A autoclave de nº 01 (Baumer) estaria funcionando parcialmente e apresenta defeitos constantes. A autoclave de nº 01 (Stercom) nunca foi utilizada. O equipamento “está na área externa da Central de Materiais Esterelizados, protegido por sua embalagem original, não instalada”, diz Guzela.
Na área de estocagem de materiais as carências também seriam flagrantes, segundo Ricardo Guzela. “Há carência crônica de campos cirúrgicos e roupas cirúrgicas. Quantidade insuficiente de campos, blusas e calças; déficit de reposição de peças envelhecidas; déficit da capacidade de tratamento da roupa pela lavanderia, principalmente pela falta de dois equipamentos essenciais a este setor: centrifuga e calandra; as roupas e lençóis do HMCJ estariam sendo levados à Santa Casa para centrifugação”, acrescenta.
Clínica Ginecológica
Segundo o ex-diretor técnico do HMCJ, “existe a carência de leitos para internação de pacientes cirúrgicos. A unidade hospitalar não dispõe de ala ou setor destinado a acomodar pacientes que necessitam de procedimentos cirúrgicos, independente da complexidade do procedimento. Esta dificuldade já motivou em outros momentos, o cancelamento de procedimentos cirúrgicos eletivos”. Para Guzela, o HMCJ não suportamais do que dois procedimentos cirúrgicos por dia, independente da complexidade do procedimento.
As mortes de crianças ocorridas no HMCJ podem não ter ocorrido por negligência médica como relatam alguns denunciantes, mas pelas péssimas condições estruturais do hospital. Ricardo Guzela demonstra que existem limitações técnicas como a ausência de colaboradores justificadas com atestados médicos e devido a grande quantidade de plantões extras, falta de insumos de prestação de atendimento a saúde e falta de materiais devido ao grande fluxo de procedimentos cirúrgicos.
Admitindo os problemas
No dia 18 abril deste ano, a diretora executiva da Sesacre, Celene Maria Prado Maia visitou o Hospital da Mulher e da Criança do Juruá. Em memorando, ela constatou que o número insuficientes de profissionais ginecologistas/obstetra , ocasionando déficit de horas médicas, dificuldade para fechamento das escalas, além do aumento da demanda de atendimento. Para resolver as questões foi autorizada a manutenção de pagamentos de plantão/horas extras aos servidores que foi cortado pela secretária Suely Costa, no início de março deste ano.
A responsável pelo setor de lavanderia do HMCJ, Elane Furtado Braz confirmou ao ex-diretor técnico Ricardo Guzela, que seria de conhecimento da direção do hospital que os funcionários do setor se deslocam à Santa Casa para centrifugação das roupas. A servidora destaca ainda, que a unidade disponibiliza apenas de um carro para transporte (a roupa está sendo colocada em sacos e transportada numa caixa d´água). “Informo ainda que a direção da unidade está ciente da situação. Tornando difícil cumprir com o suprimento de roupas para unidade”.


Nenhum comentário: