sexta-feira, 22 de maio de 2015

Depois de ser impedido de enviar imigrantes para São Paulo, Acre envia dois ônibus com imigrantes para a região Sul.


Dois ônibus com imigrantes haitianos e senegaleses saíram do abrigo mantido pelo governo doAcre, em Rio Branco, com destino à região Sul do Brasil, nesta quinta-feira (21). Os veículos, com 45 pessoas cada, vão deixar um imigrante em Cuiabá (MT), um em Campo Grande (MS) e os demais em  Curitiba (PR) , Florianópolis (SC) e Porto Alegre (RS), destino final do ônibus. A  viagem tem previsão para durar até cinco dias. Os ônibus saem dois dias após a suspensão do apoio federal para viagens de imigrantes do Acre para São Paulo (SP), anunciada na terça-feira (19).

Ao todo, 168 imigrantes deixaram o Acre, nesta quinta-feira (21). Segundo o porta-voz do governo do Acre, Leonildo Rosas, 78 deles por conta própria.  Porém, o abrigo ainda possui 519 pessoas, mais que o dobro da capacidade, que é de 240.


Estratégia

De acordo com o coordenador do abrigo em Rio Branco, Antônio Crispim, com a suspensão das viagens para a região Sudeste, alguns imigrantes estariam pensando em alternativas para conseguir chegar até São Paulo.

"Recebemos a informação que alguns imigrantes estariam traçando uma estratégia de descer em Curitiba para de lá ir até São Paulo, porque é mais perto. Mas não é algo que orientamos", enfatiza.

'Quero trabalhar para poder criar meus filhos'

A maioria são haitianos, mas entre os imigrantes existem ainda dominicanos e senegaleses com histórias de vida diferentes, mas uma coisa em comum: são pessoas que enxergam no Brasil algo que não conseguem encontrar mais em seus países de origem, oportunidades de emprego.

Esse é o caso do imigrante senegalês, Bada Fam, de 40 anos, que segue para Cuiabá (MT), onde espera encontrar um irmão e emprego. "Meu irmão vive lá há dois anos. Aqui no Brasil existe trabalho, lá  no Senegal não", diz.


Quem também afirma isso é o haitiano Michel  Lotissaint, de 42 anos. "No Haiti tem trabalho, mas não é suficiente  para todos", lamenta.


As dificuldades na terra natal foram o que impulsionaram a haitiana Jeancelia Préstil, de 34 anos, que deixou os quatro filhos com a irmã no Haiti para encontrar o marido, que vive há um ano e meio em Porto Alegre (RS). "Venho para procurar trabalho e poder criar meus filhos", afirma.


Entenda o caso
O Ministério da Justiça anunciou, na terça-feira (19), que um acordo com o governo acreano suspendeu o envio de imigrantes haitianos para a cidade de São Paulo. Segundo o ministério, a transferência "está suspensa até que ações referentes a essa questão estejam bem coordenadas entre os vários órgãos do governo federal, estados e municípios".

Inicialmente, a pasta havia informado que a transferência estava proibida para todos os estados do país. Às 22h10 da terça-feira, porém, o ministério afirmou que o acordo diz respeito apenas à cidade de São Paulo.


Em nota, a Prefeitura de São Paulo informou que não havia sido informada sobre a chegada de, aproximadamente, 1 mil imigrantes e, por isso, não tinha estrutura para recebê-los. Só na segunda-feira (18), em torno de 80 haitianos desembarcaram na cidade.

"É difícil receber estes haitianos sem termos 15 a 20 dias de antecedência para nos preparamos. São Paulo recebe bem os imigrantes, mas precisa de uma antecedência para planejar, até para conforto dos imigrantes", disse o prefeito Fernando Haddad em entrevista à rádio CBN.
Já no dia 14 de maio, o governo do Acre se manifestou por meio do porta-voz oficial, Leonildo Rosas. Ele reforçou o informe do Ministério da Justiça sobre a continuidade das viagens para outras cidades e a suspensão das que estavam programadas para São Paulo.

"Houve um acordo comum entre os entes envolvidos – governo federal, São Paulo e Acre – para que haja uma suspensão temporária na ida desses imigrantes, até que se defina o fluxo. O convênio com governo para a ida para outros estados do Centro-Sul permanece. Vale destacar que o destino não é definido pelo governo, os imigrantes dizem para que lugares querem ir", afirmou na ocasião.

Rosas comentou ainda a reclamação do prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, sobre não ter sido informado quanto à chegada de imigrantes. Segundo o porta-voz, o estado também não é notificado sobre a chegada das pessoas.


"Os imigrantes quando chegam ao Acre não notificam. Essa medida de informar os estados é do governo federal. Não cabe ao Acre fazer essa mediação. Nós acolhemos os imigrantes. Eles definem para onde vão e o governo federal faz essa mediação", disse.


Com a suspensão das viagens para São Paulo, um aviso foi afixado na entrada do abrigo para imigrantes mantido pelo governo do Acre, em Rio Branco. Entre as seis cidades que podem ser escolhidas estão Porto Alegre, Florianópolis, Curitiba, Porto Velho, Cuiabá e Campo Grande.

Aumento no número de vistos e combate aos coiotes
O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou nesta quinta-feira (21) que o Brasil irá aumentar o número de vistos para que haitianos entrem no Brasil de forma legal. Ele, no entanto, não informou de quanto será o aumento. De acordo com o ministro, atualmente, O Brasil emite mais de 100 vistos por mês para cidadães do Haiti. Cardozo explicou ainda, que a decisão visa evitar que os haitianos entrem no país de forma ilegal por meio de organizações criminosas.

Segundo o ministro, o governo irá combater de forma "dura" a ação de coiotes, pessoas que cobram para fazer o transporte ilegal de imigrantes para dentro de um país. Cardozo informou também que irá visitar os países vizinhos Equador, Peru e Bolívia para "articular medidas em conjunto" de combate à ação dos coiotes.


A decisão foi anunciada após uma reunião entre o Cardozo, o governador do Acre, Tião Viana, o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, e o Ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira.


Rota de imigração

Imigrantes chegam ao Acre todos os dias através da fronteira do Peru com a cidade de Assis Brasil, distante 342 km da capital. A maioria são imigrantes haitianos que deixaram a terra natal, desde 2010, quando um forte terremoto deixou mais de 300 mil mortos e devastou parte do país. De acordo com o governo do estado, desde 2010, mais de 32 mil imigrantes entraram no Brasil pelo Acre.

Eles vêm ao Brasil em busca de uma vida melhor e de poder ajudar familiares que ficaram para trás. Para chegar até o Acre, eles saem, em sua maioria, da capital haitiana, Porto Príncipe, e vão de ônibus até Santo Domingo, capital da República Dominicana, que fica na mesma ilha. Lá, compram uma passagem de avião e vão até o Panamá. Da cidade do Panamá, seguem de avião ou de ônibus para Quito, no Equador.

Por terra, vão até a cidade fronteiriça peruana de Tumbes e passam por PiuraLimaCusco e Puerto Maldonado até chegar a Iñapari, cidade que faz fronteira com Assis Brasil (AC), por onde passam até chegar a Brasiléia.




Yuri Marcel G1/AC

Nenhum comentário: