segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Juíza exige medidas mais rígidas para isolar facções:

A juíza da Vara de Execuções Penais de Rio Branco, Luana Campos, exige que o Instituto de Administração Penitenciária (IAPEN) faça a separação dos presos ligados às organizações criminosas.
Depois do confronto de ontem, no interior do presídio Francisco D’Oliveira Conde, onde quatro presos foram mortos e 20 ficaram feridos, a magistrada quer manter distâncias entre os membros das facções.
Os detentos ligados ao Bonde dos 13 ficaram nos pavilhões do “Chapão”, uma ala de blocos onde ficam os presos considerados perigosos. Quem for do Comando Vermelho será colocado nos blocos que ficam na parte externa do “Chapão” onde estão os provisórios.
“Essa separação é apenas um paliativo. Na verdade, precisamos buscar alternativas para evitar que os grupos rivais entrem em conflito. Temos que proteger os agentes e outros funcionários que ficam no presídio, mas, não é fácil enfrentar isso com um complexo que tem mais de três presos, quando deveria ter no máximo mil”, reclamou.
A magistrada quer identificar que são os detentos que não estão ligados as facções, esse grupo será enviado ao presídio de Senador Guiomard.
A Vara de Execuções Penais vai exigir que o governo faça uma limpeza onde fica o presídio conhecido como “Papudinha”. O complexo é usado para abrigar os presos do semiaberto que apenas pernoitam. Nessa quarta-feira, uma das facções tentou invadir o prédio. Os agentes rapidamente conseguiram fechar o portão e reagiram aos tiros. Um preso foi atingido na perna. O tiroteio criou pânico para as pessoas que passavam pela região.
Para a magistrada existem muitas árvores e mato que facilitam emboscadas. “Para piorar, o antigo quartel do Bope está abandonado e servindo de esconderijo para os bandidos. Os detentos quando vão para o complexo obrigatoriamente precisam passar pelo lado do prédio e do mato que tomou conta do local. Por isso, são vitimas fáceis”, lembrou.
A juíza está pedindo a retirada das árvores e que o capim seja cortado com frequência e está pedindo a demolição do antigo prédio do BOPE.
Desde o ataque de quarta-feira, os detentos da “Papudinha” ficaram livres do pernoite. Deveriam voltar nessa sexta-feira, mas como as obras de recuperação e da iluminação ainda não estão prontas, está marcado o retorno para esse sábado. Alguns presos estão ganhando tornozeleiras eletrônicas. Esses não vão precisar dormir no presídio.
A magistrada voltou a cobrar mais segurança nos presídios. No dia do tiroteio na “Papudinha”, os órgãos de segurança foram avisados, mas só agiram depois que houve o ataque. No caso do presídio Francisco D’Oliveira Conde, há 30 dias havia uma ordem para o motim. No entanto, a segurança não foi reforçada.


agazeta

Nenhum comentário: